Image //softwaredecalibracao.com.br/app/uploads/2020/03/diadamulherfoto-04-2.png

Metrologia e Ciência: a evolução da participação feminina

Autor: Categoria: Novidades
Postado em:

Imprimir artigo
Domingo, dia 08 de março, foi comemorado o Dia Mundial da Mulher. Como dizem, uma das formas de eternizar algo é escrevendo sobre o assunto, então decidi aproveitar a data e falar sobre a participação das mulheres na história da ciência, da tecnologia e, é claro, da metrologia!

O fato de as mulheres estarem ocupando seu espaço não é novidade, mas especificamente na ciência ainda encontramos muitas barreiras. Por uma questão histórica, na qual o papel da mulher era “ficar em casa cuidando da família”, a introdução da figura feminina nos estudos não foi bem aceita e, até hoje, encontramos empecilhos em algumas situações.

Um exemplo é o de Rosalind Franklin (1920 – 1958), doutora em física e química que criou as imagens de raio-X do DNA, contudo os créditos pela descoberta da estrutura foram apenas para os cientistas Watson e Crick.

Como aqui na ForLogic nossa área é a tecnologia, preciso citar Ada Lovelace (1815 – 1852) que é creditada como a primeira programadora do mundo! Para se ter uma ideia, além de criar o primeiro algoritmo do mundo, sua pesquisa sobre motores analíticos serviu de base para a invenção dos primeiros computadores.

Outros incríveis nomes poderiam ser citados, mas trabalhando com metrologia, percebi a necessidade de ressaltar a falta da presença feminina na nossa área. No artigo, irei trazer dados e relatos de mulheres que vivem metrologia e ciência, e espero que sirva de incentivo para mais mulheres engajarem na área e contarem suas histórias. 

Dados são fatos: a escassa participação feminina na metrologia

 O Inmetro, Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, foi fundado em 1973, mas somente em 2019 foi nomeada a primeira mulher como Presidente, Angela Flores Furtado.

A ex-presidente foi nomeada por indicação técnica (ou seja, por suas competências e não por questões políticas) e trabalhou para reduzir a burocracia da entidade. Ela também trabalhou para realizar mudanças nas regulamentações em conformidade com as práticas do mundo, deixando o órgão em sintonia com as boas práticas dos EUA, Europa e Austrália.

Outro dado que me chamou atenção  também foi retirado do site do Inmetro. Ao realizar uma pesquisa sobre os laboratórios do Paraná (estado que a ForLogic está sediada), encontrei a informação de que em 23 laboratórios RBC, nenhum possui uma mulher, por exemplo, no cargo de “Gerente técnico”.

Particularmente, considero alarmante. Entenda, é alarmante por dois motivos: primeiro porque existem mulheres tão capacitadas quanto homens em laboratórios de metrologia, mas, provavelmente, não estão sendo reconhecidas; segundo, por relatos de clientes e até por vivência, ver poucas mulheres sendo incentivadas a concluir suas formações em áreas da ciência de forma geral, por ser “um ambiente majoritariamente masculino”. 

Conheça mulheres da metrologia!

Apesar dos exemplos e de todo contexto histórico,  eu entendo que algumas pessoas podem se questionar se faz realmente diferença ter mulheres reconhecidas não apenas na área da metrologia, mas em qualquer aspecto da ciência.

Então, quero abrir espaço no artigo para reconhecer mulheres cientistas e estudiosas, mulheres que atuam diretamente na nossa área e fazem a diferença todos os dias!

Maria Tereza Friedrich Consultora e Diretora da Evidencia Treinamento, Consultoria e Auditoria

Iniciei minha atuação em metrologia científica no ano de 2001, quando busquei qualificação por meio de cursos na área, visando aplicar em ensaios químicos e biológicos nas áreas de alimentos e bebidas, meio ambiente e agricultura e pecuária, nos quais já atuava há 10 anos.

Essa experiência me possibilitou, a partir de 2002, iniciar as minhas atividades como avaliadora técnica da Rede Metrológica do RS, sendo que, posteriormente, passei a atuar também como avaliadora líder para processos de reconhecimento baseados na norma ABNT ISO/IEC 17025.

No ano de 2008 iniciei a minha preparação para ser avaliadora da Coordenação Geral de Acreditação (Cgcre) do Inmetro. No ano de 2010 passei a atuar como avaliadora especialista em processos de avaliação da conformidade de laboratórios de ensaios, acreditados ou postulantes à acreditação, sendo que hoje sou avaliadora técnica para os ensaios que sou qualificada.

O meu conhecimento em metrologia me possibilita também ter uma empresa que trabalha com consultoria, auditorias e treinamentos e que atua de forma positiva nos processos dos laboratórios que buscam um reconhecimento da competência técnica nas atividades as quais se propõe.

Atuei por 29 anos em laboratórios de ensaios sempre buscando a disseminação da cultura metrológica por meio de implantação e manutenção de sistemas de gestão, palestras, seminários, cursos e em atividades de docência, na Universidade de Passo Fundo, onde trabalhei por 24 anos.

Foi uma trajetória longa para chegar até aqui, exigiu muita dedicação, empenho, estudo e leitura, mas certamente importante para contribuir na consolidação da mulher atuando em metrologia.

Glauci Roque – Coordenadora Técnica na VWC

 

Minha história na metrologia e ciência começou em 2007, período em que assumi funções administrativas na VWC Equipamentos de Instrumentação e Comércio LTDA, empresa que atuo ainda hoje.

De lá para cá, minha vida mudou completamente. Na época estava me formando como Gestora de Pessoas e fui convidada para trabalhar no laboratório de metrologia da VWC por uma outra mulher incrível, que me ensinou muito do que sei hoje, Micheli Mariano, minha antiga coordenadora. Ela me ensinou cálculo de incerteza, automação de planilhas, métodos de calibração e eu simplesmente me apaixonei por esse universo. Sim, uma pessoa de humanas totalmente encantada com cálculos estatísticos, ferramentas e equipamentos.

A partir daí, comecei a minha busca por conhecimentos na área e me formei metrologista por meio de cursos específicos. Boa parte desses cursos, a VWC, acreditando no meu trabalho e busca por evolução, me proporcionou.

O fato é que a grande maioria não entende como isso é possível. Uma pessoa formada em humanas exercer a função de coordenadora de laboratórios e ser responsável técnica de quatro áreas. Já enfrentei alguns olhares estranhos e julgamentos, mas, por mim, tudo bem. É estranho mesmo. 

Para mim, essencialmente, sempre me bastou uma coisa:  a paixão pelo conhecimento! Clichê, ele nunca é demais e eu sempre faço questão de, junto com o meu time, colocar a mão na massa, aprender cada dia mais e mais.  Tenho em mente também que não parei por aqui. Há muito ainda o que explorar, o universo é muito vasto e basta a vontade de aprender, crescer e evoluir. A partir daí, podemos fazer o que quisermos!

A definição de cientista do Wikipédia para mim, é perfeita!

“Uma (ou um) cientista, em um sentido mais amplo, refere-se a qualquer pessoa que exerça uma atividade sistemática para obter conhecimento. Em um sentido mais restrito, refere-se a indivíduos que usam métodos científicos, e pode ser especialista em uma ou mais áreas.”

E, na minha opinião: Lugar de mulher é no laboratório!

Jaine Saconi Coelho – Desenvolvedora na ForLogic

Acho que, como a maioria das pessoas, quando escutei falar metrologia pela primeira vez a única coisa que me veio em mente foi algo relacionado ao tempo, mas logo vi que é bem diferente!

Minha experiência na metrologia ainda é muito pequena, pois iniciei meu trabalho nessa área apenas no fim do ano de 2019, porém com o pouco tempo que tenho, já fico admirada com o quanto a metrologia é importante nas nossas vidas e a amplitude de coisas que essa área abrange.

Até os dias atuais, vem sendo uma experiência incrível e a cada dia que passa é um aprendizado novo, espero que mais mulheres possam conhecer um pouco sobre metrologia ou ter a oportunidade de atuar na área.

Isabelle  Ichikawa Yagi – Desenvolvedora na ForLogic 

Iniciei minha atuação na metrologia em 2018, quando fui contratada como estagiária para trabalhar no suporte do nosso sistema ERP MyLogical. Pouco tempo depois, comecei a transcrever as planilhas de cálculo de nossos clientes para o nosso sistema, parece algo simples, mas foi nesse momento que eu comecei a entender o quão vasta e complexa é essa área, mas ao mesmo tempo apaixonante a partir do momento que você começa a compreender.

No final de 2018, comecei a atuar como desenvolvedora, que é a área que eu estou finalizando minha graduação. Mesmo tendo mudado de cargo, continuei trabalhando na área da metrologia, contribuindo para o desenvolvimento de uma aplicação web que auxilia laboratórios na gestão de seus instrumentos.

Em 2019, comecei a contribuir para o desenvolvimento de uma aplicação web que consiga atender todo o processo de um laboratório de ensaio. Ainda continuo trabalhando nesse projeto e, apesar de ter aprendido muito de metrologia nesse pouco tempo, ainda tenho muito o que aprender.

Recentemente, tive a oportunidade de visitar laboratórios de ensaio pela primeira vez e, para mim, como mulher e programadora, foi uma experiência única conhecer o processo de quem utiliza nosso sistema, mas o mais importante foi conhecer mulheres incríveis que trabalham todos os dias com metrologia e ciência, e que são referência no que fazem.

Faça parte dessa história!

O intuito deste artigo é mostrar e reconhecer mulheres incríveis, fortes e capazes de evoluir a metrologia e ciência como um todo. Além de incentivar futuras cientistas a ocuparem a área que desejarem!

Então, se você é mulher, já pensou ou ainda pensa em seguir carreira na ciência? Volte no artigo e veja quantos exemplos temos, você pode fazer parte desse time!

Se você é homem e conhece alguma mulher incrível (talvez não tão reconhecida e que luta por isso), conta aí o que sentiu ao ler o artigo e vamos melhorar essa situação juntos?

Também quero conhecer mais mulheres que ocupam seu espaço em suas profissões, então conta sua história nos comentários, vou amar saber!